Técnica auxilia na definição de características pessoais e profissionais a serem aprimoradas

Por meio do autofeedback, qualquer pessoa pode analisar as próprias capacidades, além de refletir sobre pontos de melhoria, no trabalho e fora dele. Essa tarefa pode parecer difícil à primeira vista, mas sem dúvidas é uma das mais necessárias para o desenvolvimento.

“É importante que os profissionais estabeleçam um processo de conhecimento próprio para que, assim, elas se tornem capazes de promover seu próprio crescimento, amadurecimento e a capacidade de gerar a mudança necessária, para que suas vidas sejam plenas e felizes”, explica José Roberto Marques, presidente do Instituto Brasileiro de Coaching (IBC).

Para realizar um autofeedback de maneira eficiente, procure responder quatro perguntas:

1 – Qual frase identifica você?

É comum se identificar com frases, que geralmente inspiram e motivam a continuar buscando a realização de sonhos. Procure identificar uma frase que retrata o que e quem você é.

2 – O que as pessoas que o veem pela primeira vez pensam e sentem a seu respeito?

Responda o que imagina que os outros pensam ou sentem sobre você. Se não tiver ideia, o que pode fazer é tentar lembrar o que já as ouviu falar a seu respeito, com ênfase em sua personalidade, perfil e porte físico.

3- Quais seus pontos fortes?

Defina quais são as melhores características de sua personalidade, com foco nas capacidades, habilidades e competências que caminham lado a lado com seus objetivos e sonhos.

4 – Quais são seus limites?

Há alguma dificuldade que ameace seu crescimento e evolução na vida? Aqui você pode citar a falta de conhecimento sobre determinado assunto, bem como o que impede seu crescimento profissional.

As respostas coletadas nesse processo servirão de base para a criação de novos comportamentos e ações, de modo a provocar as mudanças necessárias para uma transformação, em diferentes esferas.

O autofeedback, portanto, não tem o objetivo de identificar problemas, mas de evidenciar as oportunidades existentes e os meios para solucionar questões que são consideradas problemáticas.

“Uma pessoa que não desenvolve o autofeedback está sempre esperando pela aprovação dos outros, seja do parceiro, de um amigo, do gestor ou de um familiar. É evidente que todos precisam de feedbacks durante a vida, mas isso não deve nortear suas ações”, explica Marques.

“Nesse sentido, o autoconhecimento precisa ser estimulado para que o indivíduo seja capaz de desenvolver a confiança necessária, de modo que ele não se torne dependente das percepções dos outros”, conclui.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s